Apresentação

Idealizada em Agosto de 1988, a Academia de Música Fernandes Fão (AMFF) funciona desde o ano letivo 1988/1989. Com escritura pública celebrada no Cartório Notarial de Caminha em 03-05-1989, após o processo de reconhecimento tido a 15-10-1988, a AMFF tem vindo a corresponder aos objetivos a que se propôs, detendo, atualmente, autonomia pedagógica, lecionando, em regime articulado e supletivo, os cursos básicos de música e secundário de música, no enquadramento do ensino artístico especializado, para além das iniciações musicais e cursos livres.

Os 27 anos de funcionamento da AMFF concedem-lhe já uma implantação e reconhecimento nacionais. Tem-se constituído como uma instituição cultural com mérito reconhecido, sobretudo com a qualidade dos alunos que tem formado, atestada pelas dezenas de prémios que os mesmos têm obtido em Concursos Nacionais e Internacionais, pelas master classes que organiza e pelos currículos relevantes dos músicos que as orientam, sendo frequentadas por alunos oriundos de todo o país e de todos os níveis de ensino, incluindo o ensino superior. Destacam-se no seu projeto e ação o Concurso Ibérico de Piano, que organiza anualmente e que conta com a participação de centenas de crianças e jovens de Portugal, Espanha e Itália, ao longo das onze edições, o Concurso Nacional de Sopros, com três edições, e, finalmente, pelo papel cultural dinamizador da região, promovendo músicos e compositores portugueses e estrangeiros contemporâneos e abordando diferentes tipos de Música e de Artes.

A AMFF acolhe alunos dos Concelhos de Caminha, Ponte de Lima, Viana do Castelo, Vila Nova de Cerveira e de Melgaço. A origem e vasta distribuição geográfica dos alunos da AMFF implicam uma enorme mobilização de recursos humanos e materiais, conseguida pelo esforço e dedicação de todos os colaboradores.

A limitação do número de alunos ao ensino vocacional da música, imposta pelo Ministério da Educação, a partir do ano letivo de 2013-2014, implicou uma redução da ação da instituição nos concelhos de Vila Nova de Cerveira, Valença e Melgaço. No entanto, é objetivo da AMFF lutar pela alteração desta situação, altamente discricionária e penalizadora para estes concelhos.

A criação do Pólo de Caminha, em edifício próprio cedido pela Câmara Municipal de Caminha, através de protocolo, é uma realidade desde setembro de 2013, bem como a adaptação de instalações em Vila Nova de Cerveira e Melgaço, somadas ao protocolo de colaboração com o município de Ponte de Lima, garantindo o Pólo da AMFF nesta vila.

Historial

A Família Fernandes Fão é sobejamente conhecida em Vila Praia de Âncora, no entanto, foi a sua forte ligação à Música, no início do século XX, que determinou a escolha, pelos fundadores, do nome Fernandes Fão à Academia de Música, como homenagem a tão distintos artistas que prestigiaram a terra à qual estavam ligados.

Emília, Joaquim e Arthur, filhos de Constantino Fernandes Fão, grande amante da música, e de mãe italiana, foram, de entre todos os irmãos, aqueles que, no campo musical, mais se destacaram nesta família, tendo-se notabilizado como músicos de projeção nacional e internacional. A primeira obteve, com distinção, os cursos de piano, harmonia e violino no Conservatório de Música de Lisboa e era uma artista de rara sensibilidade.

Joaquim, nascido em 1878, na Argentina, teve uma carreira fulgurante, marcada pela regência e reorganização da Banda da GNR, como compositor, primeiro violino em todas as orquestras a que pertenceu e como solista na orquestra Blanch.

Arthur nasceu já em Vila Praia de Âncora, no ano de 1894. Obteve os cursos superiores de violino, contraponto, fuga e composição, com distinção, no Conservatório de Música (Lisboa), onde regeu a orquestra em composições de sua autoria. Foi primeiro violino nas orquestras de ópera e sinfónica, e compôs várias obras de canto, bem como uma de Teoria Musical, seguida nos Conservatórios de Música e nos Ministérios da Guerra e Marinha. Foi nomeado regente da Banda da Armada em 1920, sendo de referir que foi o maestro mais novo a iniciar funções em todo o historial desta Banda, permanecendo lá até 1956. No início dos anos 90, Maria Filomena Fernandes Fão Rodrigues doou à AMFF o espólio da família, referente aos tios Emília, Joaquim e Arthur.

A Academia de Música Fernandes Fão foi assim idealizada em Agosto de 1988, por quatro Instituições: o Centro Cultural e Social de Vila Praia de Âncora, o Orfeão de Vila Praia de Âncora, a NUCEARTES e a Banda Típica da Casa do Povo do Vale do Coura de Caminha. A escritura foi celebrada no Cartório Notarial de Caminha, a três de Maio de 1989. Reconhecida pelo Ministério da Educação e com autonomia pedagógica, é um motor de dinamização cultural da região onde se insere, tendo vindo a corresponder aos objetivos que estiveram subjacentes à sua constituição. Em 2007, a Instituição alargou o seu âmbito de atuação, com a criação do Pólo de Ponte de Lima. A criação do Pólo de Caminha, em edifício próprio cedido pela Câmara Municipal de Caminha, através de protocolo, é uma realidade desde setembro de 2013.

Atualmente AMFF acolhe alunos dos Concelhos de Caminha, Ponte de Lima, Viana do Castelo, Vila Nova de Cerveira e de Melgaço.

Regulamentos
Direção

ASSEMBLEIA GERAL:

Presidente – Fernanda Maria Martinho Fernandes Puga de Oliveira

Secretário – José Maria Barbosa Ferreira

Secretário – Célia Maria Tito Duarte

CONSELHO FISCAL:

Presidente – Laurinda Rodrigues de Miranda

Secretário – Rafael Francisco Pereira Capela

Relator – Eduarda Maria Vidal Vieira de Sousa

DIREÇÃO:

Presidente – Fernando Augusto Segadães Rebelo

Vice-Presidente – Lúcia Maria Mimoso Lima Gomes

Secretário – Joaquim Celestino Simões Ribeiro

Secretário – Gaspar André Fernandes Pereira Lima

Tesoureiro – António Manuel Pais Presa

Direção Pedagógica

Gaspar Lima (Presidente)

Nuno Lima

Joaquim Celestino Ribeiro

Corpo Docente
Alberto Varela Pardo [Piano]
Ana Maria Leitão Sério [CM, ATC e HM]
Analisa Almeida de Sousa Correia [CC]
Arlete Pereira Oliveira [Acordeão]
Beatriz Alves Barbosa [CC]
Bernardo Nobre Charrua de Pinho Pinhal [Piano]
Carla Fernandes Alves [CC]
Carlos Alberto de Castro Ortiga [Guitarra]
Cristina Manuela Ribeiro Fernandes [Fagote]
Dora Isabel Correia Durães [Violino]
Emanuel Ferreira Soares da Silva [CC]
Emília Pereira Lagido [HCA]
Flávia de Freitas Oliveira [Guitarra]
Gaspar André Fernandes Pereira Lima [Clarinete]
Ilda de Brito Santos Meira [CC]
Isabel do Carmo Cerqueira Lima Pereira [Oboé]
Javier Casal Alonso [Guitarra]
Jean Philippe Antunes de Passos [Violino]
João Pedro Viana Baptista [Violino]
José Manuel Ribeiro Capitão [Clarinete]
José Paulo de Lima Moreira Ribeira [FM]
 Liliana Marisa Amorim Cerqueira Alves Quesado [CC]
Lisete Alexandra Antunes Correia [Trombone]
Marco André Oliveira Araújo [Percussão]
 Maria Odete Ferreira Neiva [Viola d’arco]
Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos [Alemão]
Marta Susana Oliveira Santos [Canto]
Maurizio Padovan [Italizano]
Mirta Gonzalez Lopez [Flauta Transversal]
Nuno Miguel Pereira Rodrigues da Cruz [Violencelo]
Nuno Tiago Fernandes Pereira Lima [Trompa]
Paulo Jorge Lopes Neto [Acordeão]
Pedro Miguel Campelo Pereira Alves [Trompete]
Pedro Miguel Pereira Fernandes [Trompa]
Rodrigo Portela Santaclara
Rogério da Silva Petinga
Rui Gonçalo Martins Morais [Contrabaixo]
Saul Chapela Diaz [Piano]
Sérgio Benjamim Echeverri [Guitarra]
Sónia  Alexandra Ferreira Macedo Gonçalves [CC]
Tânia Graciela Oliveira Gonçalves [Saxofone]
Tânia Sofia Gomes Lima [Violino]
Trijntje van den Geest [Saxofone]
Vasco Ruy Fonseca Coelho de Abreu [Piano]
Victor Thadeu Reis Oliveira [Piano]
Vitor Emanuel da Silva Vieira [Tuba]
Sérgio Pereira [Trombone]