Simposio_Ensino_de_Musica_2014-PDF-Cartaz.pdf

Informações para os inscritos no Simpósio “Percursos do Ensino da Música”

1.-
A organização do Simpósio “Percursos do Ensino da Música”, que se realizará em Ponte de Lima nos próximos dias 7, 8 e 9 de Julho (de 2.ªf a 4.ªf) informa que a maioria das sessões se realizará no Auditório do Centro Comercial Rio Lima:

Link para o mapa:  https://goo.gl/maps/dYy8W

O Concerto-debate de 3.ªf , dia 8, às 21h30, terá lugar no Largo de Camões (o concerto) e no Auditório Lima Terrae (o debate). Este auditório fica a poucos metros do Largo de Camões, no Passeio 25 de Abril.

2.-
Secretariado do Simpósio abre as 09h00 de 2.ªf, dia 7, no Auditório Rio Lima, e 20 minutos antes do início de cada sessão do Simpósio, permanecendo aberto até o final das sessões.

Solicita-se a todos os inscritos que passem pelo Secretariado para levantar a documentação e identificação que lhes dará acesso às sessões do Simpósio, bem como para entregarem os comprovativos de pagamento ou de vinculação às entidades que permitem desconto.

3.-
Os Certificados de Frequência só poderão ser passados aos participantes que frequentarem pelo menos 2/3 das sessões – 12 horas (mediante assinatura de folha de presenças).
A organização informa ainda que, apesar do processo não estar finalizado, há boas probabilidades do Simpósio ainda vir a ser creditado como Ação de Formação, pelo que, logo na primeira sessão, serão prestadas as informações complementares; neste caso o Certificado da Ação de Formação exige a apresentação dum relatório final.

4.-
Face a muitos pedidos recebidos de pessoas que não podem frequentar o Simpósio mas que gostariam de assistir um único dia ou só a uma sessão, a organização resolveu disponibilizar bilhetes de visitante para um dia que podem adquirir no secretariado (Auditório Rio Lima) por 15 € no próprio dia, não dando direito a qualquer certificado. 

percursos_2013

Festival “Percursos da Música”

A quarta edição do Festival “Percursos da Música” está na rua … contra ventos e marés, enfrentando crises e depressões … afirmamos a nossa vontade de continuar a proporcionar ao público momentos de prazer, de beleza, de sonho que lhes amenize o difícil quotidiano deste sombrio 2013!

O formato apresenta uma inovação – um Arauto que, nos dias 23 e 24 de Junho, em pré-abertura do Festival, a decorrer de 5 a 14 de Julho, dará o mote para os grandes objetivos do mesmo. Bast’assim!, uma produção dos artistas José Lourenço e Paula Conceição com o projeto Manóperas de Diversão, apresentará uma adaptação da obra de Kurt Weill e Berthold Brecht, a “Ópera dos Três Vinténs”.

Igualmente, pela primeira vez, se dedica o Festival a uma personalidade ímpar do panorama português, a pianista Helena Sá e Costa, cujo centenário do nascimento se comemora este ano. Ser humano de craveira excecional, contribuiu decisivamente para o engrandecimento da cultura musical no país e influenciou, direta e indiretamente, inúmeras gerações de artistas. Muitos dos que participarão neste Festival tiveram o privilégio de conviver e trabalhar com esta grande senhora, como Miguel Graça Moura, Álvaro Teixeira Lopes, Eugénia Moura e Olga Amaro.

Festival abrangente de diferentes géneros musicais e manifestações artísticas, desde o seu início, a edição 2013 conta com espetáculos nos domínios da música erudita, jazz, poesia lusófona, teatro, ópera e música ligeira, em atuações repartidas por diferentes locais, em recinto fechado e ao ar livre, da magnífica vila de Ponte de Lima, como o Teatro Diogo Bernardes, Auditório da Academia de Música, Largo Camões e Largo da Picota. Integra, igualmente, o 2º Concurso Nacional de Sopros que contou, em 2012, com dezenas de participantes de admirável nível de todo o país e a Academia de Verão 2013, que agrega master classes com diversos músicos convidados, como Nuno Aroso, nas percussões e estágio de orquestra sinfónica e coro.

Figuras incontornáveis como as acima referidas e, ainda, Rita Redshoes, António Vitorino d’Almeida, Luiz Avellar e Nuno Barroso estarão presentes neste Festival para lhe conferir a qualidade a que já habituou o seu público. A eles se junta uma nova geração de artistas como o Elle Quartet, o Lusitâniae Ensemble, o Quarteto Classic’on Jazz, o ensemble Sons ao Vento, o duo Luís & Fernando Costa, Sara & Raquel Martinez, José d’Eça, Cândida Nunes e Rita Carneiro, conferindo à programação uma renovação artística que se pretende constante, pertinente e desafiadora.

Desejamos que todos percorram os caminhos deste Festival com deleite, fantasia e esperança em melhores tempos. Sejam bem-vindos e desfrutem!

3º intercâmbio de classes de guitarra

3º intercâmbio de classes de guitarra

Vai decorrer no próximo Sábado, dia 15 de Junho, pelas 15h30, no Teatro Diogo Bernardes, Ponte de Lima, o 3º intercâmbio da classe de Guitarra entre Escolas de Música.

.: Academia de Música Fernandes Fão (Ponte de Lima e Vila Praia de Âncora): classes dos profs. Eliseu Matos, Luís Pinto e Sergio Echeverri;
.: Companhia da Música de Braga: classes dos profs. Aires Pinheiro, Rui Gama e Sérgio Vieira;
.: Conservatório de Música de Barcelos: classes dos profs. Jorge Casimiro Silva e Sérgio Vieira.

AMFF_Quarteto_Trompas_Port

Quarteto de Trompas Português

No próximo dia 27 de Março, às 18 horas, o Quarteto de Trompas Português irá realizar um concerto no Auditório da Academia de Música de Ponte de Lima.
Programa:

 

Quarteto nrº1 – Kerry Turner (1960)
The Music of Royal Fireworks – Georg Friedrich Händel (1685 – 1759)
Rule Britannia! – Kerry Turner (1960)
Kamarazene – F.Hidas (1927 – 2007)

A entrada é gratuita não perca esta excelente oportunidade!

Siga o evento no Facebook aqui

AMFF_Master_Classe_METAIS

Master Classe de Metais – 27 e 28 de Março

Já estão abertas as inscrições para a Master Classe de Metais, com Telmo Barbosa (Trompete), Helder Vales (Trompa ), Ricardo Pereira (Trombone ), a decorrer na AMFF Polo de Ponte de Lima durante os dias 27 e 28 de Março. Para se inscrever, basta se dirigir à secretaria da AMFF, em Vila Praia de Âncora ou Ponte de Lima, ou fazer a inscrição on-line clicando aqui.

O valor da inscrição é de:
Alunos externos: 30 euros
Alunos internos: 20 euros
Ouvintes: 10 euros

Almoço: 4 euros

percursos

“O Melhor dos Mundos Possíveis”

20, 21 e 22 Julho| Teatro Diogo Bernardes | 21h30
MANOPERAS
ÓPERA “O Melhor dos Mundos Possíveis”

Música | Adaptação de Leonard Bernstein (1918/1990)
Texto | Adaptação Portuguesa de “Candide” de Voltaire por José Lourenço
Direção Artística | José Lourenço
Produção | Atelier de Ópera “Manóperas de Diversão”
Direção de Orquestra | Pedro Sousa

Músicos | Marina Pacheco, José Corvelo, José Lourenço, Lara Costa, Fabrice Carneiro e elementos do “Manóperas de Diversão”

Coros e Orquestra | AMFF/ Academia de Música de Ponte de Lima/ Conservatório de Música da Maia – Ensemble Notas Soltas

O Melhor dos Mundos Possíveis … será que é aquele em que vivemos ? A julgar pela presença da palavra “crise” nas capas dos jornais somos levados a discordar. Não faltam, porém, ministros, primeiros-ministros, astrólogos e outros otimistas a “dourar a pílula”. O fenómeno não é de hoje e tem como protagonista, em pleno “século das luzes”, o filósofo alemão Gottfried Wilhelm von LEIBNIZ (1646-1716). Nos seus “Ensaios Sobre a Bondade de Deus, a Liberdade do Homem e a Origem do Mal” Leibniz defende que Deus, ao criar o mundo em que vivemos, só poderia ter optado por criar um mundo perfeito. Contra esta visão e apoiado por factos tristemente reais (desastres naturais, guerras, doenças, esclavagismo, intolerância religiosa …) ergue-se, no alvor da Revolução francesa, outro grande filósofo: François-Marie Arouet de VOLTAIRE (1964-1778). Chocado pelas notícias do “Sismo de Lisboa” (1 de Novembro de 1755) Voltaire decide refutar as ideias de Leibniz e, da sua pluma, jorra, em meros três dias, uma das maiores obras da literatura universal: “Candide, ou o Otimismo”. Trata-se de um conto filosófico mas, simultaneamente, de um livro de aventuras, pleno de fantasia, humor e muitas viagens, com estadia incluída no mítico El Dorado e uma “festa religiosa” em Portugal! Ao longo de 30 atribulados capítulos, Voltaire faz-nos perceber como Leibniz estava errado e como o otimismo em excesso pode ser a porta para grandes males… Vamos, então ser “Velhos do Restelo”?! “Nem oito nem oitenta”. Apesar de não vivermos no melhor dos mundos, Voltaire aponta pistas para que, ao longo dos nossos dias, possamos dizer “a vida é bela!” Quem as quiser conhecer deve ver e ouvir este espetáculo preparado com entusiasmo pela oficina “Manóperas de Diversão” e intérpretes profissionais, numa parceria da Academia de Música Fernandes Fão com outras instituições de ensino artístico (Ensemble Notas Soltas do Conservatório de Música da Maia, designadamente). Os números musicais têm a assinatura do compositor americano Leonard Bernstein e o espetáculo conta, logo de início, com a presença do próprio!!!
percursos

“A Galiza em Versão Popular e Jazz”

19 Julho| Largo Camões | 22h00

“A Galiza em Versão Popular e Jazz” | BANDA DE MÚSICA MUNICIPAL DE VALGA

Direção Musical | Manuel Touceda

PROGRAMA I
TANGO para o TOREADOR
                            Herman Chr. SnijdersJESUS CRISTO SUPER STAR
                            Lloyd Webber / arr. Willy Hautvast
(seleção) OS MISERÁVEIS
                            Claude-Michel Schonberg / Warren Barker(seleção)
AIRES DO SAR
                             Ricardo Noya
(passo doble-marcha) II
NON CHORES SABELIÑA
                            Gustav Freire Penelas
LA FLOR DE AZAHAR
                            Gregory Fritze
PASSO DOBLE ANIVERSARIO
                             Marcos Mato
Manuel Villar Touceda nasceu en Valga (Pontevedra) em 1969 e com 15 anos passou a formar parte da Banda de Música Municipal de Padrón como trompetista. Estudou no Conservatório Superior de Santiago, no Conservatório Superior da Coruña, Madrid, Vigo. Teve aulas com os mestres Justino Prieto, José Vicente Simeo, José Ortí, Enrique Rioja e Benjamín Moreno. Estudou Pedagogia Musical com os mestres Tomás Rábanos, Ana Mª. Navarrete, Susa Herrera, Tomás Marco, Fernando Palacios e Jos Wuytack. Estudou Direção de Banda com Adám Ferrero e Henri Adams, Carlos Seráns, Jan Cober, Orquestração com Samuel Adler e Direção de Orquestra com Cristóbal Soler e Navarro Lara. Colaborou com as Banda de Vilagarcía, Banda da División Guzmán El Bueno (Sevilla), Banda Sinfónica de Galicia, Banda Municipal da Coruña, JONDE, Orquestra Sinfónica de Galicia, Orquestra e Coro de RTVE. Foi professor na Escola de Música Municipal Caldas de Reis, no Conservatório Superior de Música de Vigo e foi Presidente da Sociedade Cultural Banda de Música M. de Padrón. Na atualidade é o Diretor da Escola e Banda de Música Municipal de Valga, Vogal da Federação Galega de Bandas de Música Populares, Vocal de AGEMM, Professor de Música.A origem da Banda de Música Municipal de Valga está intimamente ligada á Escola de Música de Valga, que desde 1996 com 50 alunos e 2 mestres, iniciou a formação musical dos jovens de Valga, atingindo já, em 1999, 130 alunos e 15 mestres. Graças a este êxito, começaram a desenvolver-se atividades como grupo coral, grupo de percussão, Big Band e a Banda de Música, que mais tarde daria lugar à Banda Xuvenil de Valga e à Banda Infantil de Valga onde se formam os futuros músicos deste agrupamento. O concerto de apresentação deste coletivo musical teve lugar no I Festival Letras Galegas do ano 1999, celebrado em Valga com grande êxito da crítica para, posteriormente, participar em numerosos festivais pela Galiza, ou fora dela: Luarca, León, Zamora, Palencia, Segovia, Tarragona, Madridejos (Toledo) ou Troviscal (Portugal). Entre as atividades anuais, cabe destacar o Acampamento Musical celebrado todos os verões desde 1999 nos mais diversos lugares: Allariz, Lugo, Portomarín, Luarca, León, Zamora, Palencia, Segovia, Tortosa, Badajoz, Alcalá de Henares e Bilbao. Outras das suas atividades são o ciclo de concertos com diretor convidado, gravações como a de Melodias Populares (2005) difundida na tournée por Bos Aires, a realização de intercâmbios musicais e a participação em festas populares. Em relação a prémios, obteve no Certame Provincial de Bandas de Música, Deputação de Pontevedra, o 3º prémio nos anos 2005 e 2009, 2º prémio nos anos 2006, 2010 e 2011 e 1º prémio e menção de honra no ano 2007; no Certame Galego de Bandas de Música, Junta de Galiza, obteve o 3º prémio nos anos 2008, 2010 e 2011, 1º prémio nos anos 2007 e 2009 e prémio de melhor interpretação de obra de temática galega no ano 2010; no Certame Zonal de Bandas de Música, Deputação de Pontevedra alcançou o 2º prémio no ano 2008 e 1º prémio nos anos 2009 e 2010. Fora da Galiza, recebeu, no I Certame Nacional Villa de Magallón (Aragón), no ano 2006, o 3º prémio e participou no IX Certame Internacional de Bandas de Aranda del Duero no ano 2007.
percursos

“ Machina Lirica Duo”

18 Julho| Cooperativa LimaTerrae | 18h30

“ Machina Lirica Duo”, Programa Ibéria Mónica

Streitová Flauta | Pedro Rodrigues Guitarra
PROGRAMA – J. Vianna da Motta (1868/1948)
                                  3 Scenas Portuguezas op. 9 *- Fernando Lopes Graça (1906/1994)
                                  Melodias Rústicas, caderno IV- J. Rodrigo (1901/1999)
                                  Serenata al Alba del Dia- E. Granados (1867/1916)
                                  Danzas Españolas nº 2,4,5*- M. de Falla (1876/1946)
                                  Danza Española nº1 (de La Vida Breve) *
(*- Transc.: Pedro Rodrigues)
A criação do programa “Ibéria” teve origem no convite para a participação no renomado Festival Internacional “Colores Flamencos” OLOMOUC 2011 na República Checa. Do programa fazem parte composições originais de compositores portugueses e espanhóis para flauta e guitarra, assim como transcrições do guitarrista Pedro Rodrigues. Este músico, juntamente com a flautista Monika Streitová são os protagonistas de Machina Lírica Duo. O nome do grupo foi inspirado num poema de delicada beleza bizarra do poeta pós-surrealista português, Helbert Hélder. A combinação incomum das duas palavras reflete a natureza intrínseca do ideal estético do grupo – o músico como uma máquina com alma e espírito – e marca o padrão para a rigorosa escolha do repertório. A ideia central da dramaturgia do concerto baseia-se no objetivo de colocação no mesmo contexto de composições portuguesas e espanholas inspiradas pela cultura nacional dos dois países que durante vários séculos tiveram hegemonia no continente europeu e dominaram muitos povos em diversos continentes. A semelhança entre as duas línguas – portuguesa e espanhola, reflete-se também na música onde se pode encontrar elementos comuns, tais como: o senso da melodia e a ornamentação. Há, no entanto, muitas diversidades do carácter musical. As composições portuguesas respiram uma melancolia típica, têm uma elegância subtil e contém uma dimensão mais meditativa. Já as composições espanholas são mais dinâmicas pelo seu temperamento apaixonado. O subtexto lírico também está presente nestas, mas diferentemente e de uma forma bela. Ao colocá-las no mesmo contexto abre-se assim a possibilidade de comparar a miscelânea de semelhanças e de diferenças. O programa “Ibéria” tem uma grande variedade de cores, ritmos e cheiros. Reanima a poética do passado e permite reviver histórias esquecidas, e o ouvinte não precisa de debruçar-se sobre a questão de quem foi realmente o mérito no descobrimento do novo mundo.

Monika Streitová

A estreia do Machina Lirica Duo decorreu no prestigiado festival Musica Viva onde recebeu de imediato excelentes críticas tanto do público como da imprensa especializada: “Destaquem-se ainda os espetaculares intérpretes Monika Streitová (flauta) e Pedro Rodrigues (guitarra), que mostraram que a música contemporânea tem hoje em Portugal soberbos intérpretes à disposição.” (Pedro Boléo, Jornal Público). Monika Streitová e Pedro Rodrigues executaram em estreia absoluta mais de 170 obras, muitas delas dedicadas a estes intérpretes. Tais obras abrangem diversas formações, de peças a solo, solo com eletrónica, duos, formações de música de câmara até concertos com orquestra. Apresentaram-se ainda, em solo ou em duo, em salas como Carnegie Hall de Nova Iorque, a Salle Cortot de Paris, National Concert Hall de Taipei, Ateneo de Madrid, Endler Hall de Cape Town, CCB, Casa da Música, Grande Auditório da Fundação Gulbenkian e ainda em festivais de música contemporânea como Festival de Outono de Varsóvia, Elektronische Frűhling (Viena), MÚSICA VIVA de Lisboa, Porto e Coimbra, MELOS-ETHOS, Bratislava Musical Festival, Forfest Kromeríz, Ostrava Days of New Music, Evenings of New Music Bratislava, Musica Iudaica Prague, NEW MUSIC MARATHON Prague, the International Festival of Contemporary Music in Krakow, Silesian Festival (Katowice), Festival de século XX e XXI, City of London festival, Festivais de Outono de Aveiro, Festival Internacional de Música Contemporânea de Salvador (Brasil), Colores Flamencos Olomouc, e ainda em duo gravaram para a Antena 2, RTP e Rádio Checa.