“O Melhor dos Mundos Possíveis”

20, 21 e 22 Julho| Teatro Diogo Bernardes | 21h30
MANOPERAS
ÓPERA “O Melhor dos Mundos Possíveis”

Música | Adaptação de Leonard Bernstein (1918/1990)
Texto | Adaptação Portuguesa de “Candide” de Voltaire por José Lourenço
Direção Artística | José Lourenço
Produção | Atelier de Ópera “Manóperas de Diversão”
Direção de Orquestra | Pedro Sousa

Músicos | Marina Pacheco, José Corvelo, José Lourenço, Lara Costa, Fabrice Carneiro e elementos do “Manóperas de Diversão”

Coros e Orquestra | AMFF/ Academia de Música de Ponte de Lima/ Conservatório de Música da Maia – Ensemble Notas Soltas

O Melhor dos Mundos Possíveis … será que é aquele em que vivemos ? A julgar pela presença da palavra “crise” nas capas dos jornais somos levados a discordar. Não faltam, porém, ministros, primeiros-ministros, astrólogos e outros otimistas a “dourar a pílula”. O fenómeno não é de hoje e tem como protagonista, em pleno “século das luzes”, o filósofo alemão Gottfried Wilhelm von LEIBNIZ (1646-1716). Nos seus “Ensaios Sobre a Bondade de Deus, a Liberdade do Homem e a Origem do Mal” Leibniz defende que Deus, ao criar o mundo em que vivemos, só poderia ter optado por criar um mundo perfeito. Contra esta visão e apoiado por factos tristemente reais (desastres naturais, guerras, doenças, esclavagismo, intolerância religiosa …) ergue-se, no alvor da Revolução francesa, outro grande filósofo: François-Marie Arouet de VOLTAIRE (1964-1778). Chocado pelas notícias do “Sismo de Lisboa” (1 de Novembro de 1755) Voltaire decide refutar as ideias de Leibniz e, da sua pluma, jorra, em meros três dias, uma das maiores obras da literatura universal: “Candide, ou o Otimismo”. Trata-se de um conto filosófico mas, simultaneamente, de um livro de aventuras, pleno de fantasia, humor e muitas viagens, com estadia incluída no mítico El Dorado e uma “festa religiosa” em Portugal! Ao longo de 30 atribulados capítulos, Voltaire faz-nos perceber como Leibniz estava errado e como o otimismo em excesso pode ser a porta para grandes males… Vamos, então ser “Velhos do Restelo”?! “Nem oito nem oitenta”. Apesar de não vivermos no melhor dos mundos, Voltaire aponta pistas para que, ao longo dos nossos dias, possamos dizer “a vida é bela!” Quem as quiser conhecer deve ver e ouvir este espetáculo preparado com entusiasmo pela oficina “Manóperas de Diversão” e intérpretes profissionais, numa parceria da Academia de Música Fernandes Fão com outras instituições de ensino artístico (Ensemble Notas Soltas do Conservatório de Música da Maia, designadamente). Os números musicais têm a assinatura do compositor americano Leonard Bernstein e o espetáculo conta, logo de início, com a presença do próprio!!!
0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *